Seis em cada dez endividados não sabem quanto devem

Pesquisa do SPC Brasil e CNDL mostra que descontrole ocorre também na hora de conhecer quantas parcelas já foram pagas ou não

    • Araraquara.com
    • Tom Oliveira
Weber Sian / A Cidade
.



A aposentada Terezinha Leite, de 63 anos, está inserida em uma estatística não muito favorável. Ela, que tem realizado vários empréstimos numa financeira da cidade há mais de um ano, não sabe dizer ao certo qual é o tamanho de sua dívida. “Com o salário mínimo que ganho, mal consigo pagar as contas”, lamenta.

Segundo pesquisa realizada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), seis em cada dez brasileiros endividados não sabem o quanto estão devendo, sendo que três desconhecem até a quantidade de empresas para que devem.

O estudo mostra ainda que este descontrole ocorre também na hora de conhecer quantas parcelas foram pagas ou não.

Entre os que têm conhecimento de seus débitos, o valor médio das dívidas chega a R$ 3,4 mil, tendo pendências em pelo menos duas empresas.

Causas do problema - As principais justificativas para a falta de pagamento dessas contas foram o desemprego (29,2%) e a redução da renda (14,6%).

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, ambos os fatores, conjugados, pioram mais ainda a situação do orçamento familiar. “A atual conjuntura econômica está fazendo subir o desemprego e minando o poder de compra dos brasileiros”, explica.

Com isso, o que ocorre com quase metade dos inadimplentes, segundo a pesquisa, é acabar sendo negativados, podendo, a partir daí, fazer apenas compras à vista.

57% negociam - Mais da metade dos inadimplentes buscam o credor para tentar uma negociação, mas muitas vezes as propostas recebidas não ‘cabem no bolso’ do mesmo jeito.

Para o educador financeiro José Vignoli, buscar a negociação é o melhor caminho para quem está com o nome sujo. “Quem está endividado deve cortar ao máximo os gastos e concentrar esforços para a negociação das contas em atraso”, orienta. “É preciso pagar primeiro as dívidas com juros mais altos e não assumir novos débitos.”

Cartão de crédito segue ‘vilão’ da inadimplência - O cartão de crédito segue como o maior vilão entre as contas que levaram os brasileiros a ficarem com o nome sujo (43,4%). Em seguida aparecem os empréstimos (23,5%) e os cartões de lojas varejistas (19,3%).

De acordo com Regiane Pereira da Silva, coordenadora de uma financeira em Araraquara, boa parte dos interessados em créditos para negativados quer pagar aluguel e financiamentos de veículos. “Acredito que a maioria se ‘aperta’ no cartão de crédito ou contas supérfluas e falta dinheiro para as coisas mais fundamentais”, aponta.

Em Araraquara, a inadimplência cresceu 13% em 2015 na comparação com o ano anterior. Foram nada menos que 374 mil novos débitos registrados no SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) ano passado, contra 331 mil de 2014.

O resultado negativo chega após as dívidas não pagas já terem disparado em 2014. Nesse período cresceram 25% frente aos 12 meses anteriores. “Os dados mostram que ainda havia espaço para que mais consumidores deixassem de honrar seus débitos”, comenta Jaime Vasconcellos, economista do Sincomércio (Sindicato do Comércio Varejista de Araraquara).


Cuide bem do seu bolso

Avalie sua situação atual - Coloque no papel todas as suas dívidas, parcelas a pagar e juros de cada financiamento. Ordene esses gastos colocando os mais caros no topo a serem quitados.

Pague tudo à vista - Diminua a frequência de uso do cartão se você tem dificuldade em controlá-lo. Dê preferência a pagamentos à vista com desconto.

Guarde dinheiro - Imprevistos podem acontecer, como desemprego, doenças, um acidente de carro, etc. por isso ter uma reserva vai te ajudar a sair dessas situações com mais calma

Negocie as dívidas - Os credores querem receber o seu pagamento, e você quer pagar, então, por que não entrar em um acordo? Bancos, por exemplo, diminuem o valor da dívida se perceberem que você perdeu a intenção de pagar, mas na verdade o que eles estão fazendo é te cobrar menos juros.

 

 


2 Comentário(s)

Comentário

Denílson Travessolo

Publicado:

Pelos números apresentados em 2015 tivemos em Araraquara mais devedores inscritos no SCPC do que habitantes? 374 mil novos débitos para uma população de 220 mil habitantes? Vai me desculpar mais esses indicadores são uma furada. Acho que a SCPC precisa melhorar a metodologia aplicada para dar mais lisura aos números! É inegável que exista um aumento de devedores na atual situação do país mas a forma como é apresentado esses números parece até apologia ao calote!

Comentário

wilson

Publicado:

TRABALHAMOS E PAGAMOS CONTAS COM O DINHEIRO VIRTUAL. O DINHEIRO NÃO TEM MAIS VALOR E O SALÁRIO SÓ DA PARA PAGAR NO MINIMO AS CONTAS BÁSICAS. EU DISSE ISTO A 20 ANOS PASSADOS . EM 1980, SALARIO MINIMO PAGAVA, DAVA PARA VIVER, E SOBRAVA..................DEPOIS DA MEGA DESVALORIZAÇÃO NO GOVERNO FHC, AQUELA CONVERSÃO APLICADAS DENOMINADAS URV E O CORTE DE DOS 3 ZEROS DA MOEDA, FICAMOS POBRES, SALÁRIO MINIMO PERDEU VALOR. nO GOVERNO DO PT INCENTIVOU-SE O CONSUMO EM FUNÇÃO DO PIB, MAS O DINHEIRO COMO É VIRTUAL.............O BRASILEIRO FICOU ENDIVIDADO POIS ERA INCENTIVADO A GASTAR.